Construindo uma Geografia na EaD

Em semestre onde mais 120 alunos irão ingressar no curso de Geografia a distância via vestibular, a coordenação do curso apresenta inovações e resultados perante as adversidades encontradas no percurso

 

Neste semestre a UnB contará com mais 120 novos alunos cursando Geografia nos municípios de Diamantino (MT), Santos (SP) e Posse (GO) e a coordenação do curso já prepara para esses próximos alunos e para os atuais inovações.

A frente do curso, o professor Fernando Sobrinho comenta que quando ingressou na Universidade de Brasília como professor em 2009, já havia tido experiências com a Plataforma Moodle e a prática de ensino à distância em instituição particular em que trabalhou durante 15 anos. Neste período acompanhou a implantação do curso de Administração de Empresas na modalidade EAD e a inserção da Plataforma Moodle e de disciplinas a distância nos cursos presenciais a partir do ano de 2001.

A partir de agosto de 2014, ele e as Professoras Roselir Nascimento (coordenadora pedagógica) e Waleska Maniari (coordenadora de tutoria) iniciaram processo de ação contínua de melhoria do curso. Uma das primeiras ações realizadas pela equipe de Geografia da UnB foi diferenciar as diversas disciplinas por cores e adotar novos padrões de formatação e organização didático pedagógico, para melhor aprendizagem por parte dos alunos.

Apesar desta distinção por disciplina na tela do computador, na prática o que vem regendo o curso é o princípio da interdisciplinaridade, principalmente nas saídas de campo. Então, explica a Prof.a Roselir Nascimento, os professores estão criando correlações entre os conteúdos. “Na disciplina de Geomorfologia, por exemplo, quando os alunos vão à zona rural, o caminho entre o polo e o destino é trabalhado correlacionando o tema da pesquisa com outras disciplinas, verificando o processo de transformação da paisagem, seja por seus recursos hídricos, atividades agrícolas ou mesmo degradação ambiental”.  Como exemplo, em pesquisa de campo no segundo semestre de 2014 quando os alunos dos polos de Barretos e Itapetininga (estado de São Paulo) visitaram o município paulista de Santo Anastácio, subiram um morro fazendo uso de GPS, coletaram amostras de rocha e com uma lupa analisaram os minerais formadores destas rochas, tudo isso para entender a mineralogia e a geomorfologia  dentro do seu próprio estado e levar aquela mostra para sala de aula e desenvolver material didático para os alunos de escolas públicas.

Em tempo

Tendência mundial, a educação a distância pública ainda trilha seu caminho para o seu próprio refinamento. Para a coordenação do curso de Geografia, o primeiro passo é realizar a aproximação entre o ensino do modo presencial com o a distância para que os alunos do EAD sintam-se parte integrante do curso e da Universidade.

Além dos encontros presenciais, o uso das web conferências estão cada mais presentes na vida acadêmica do curso de Geografia. E o desafio interno de melhorar a qualidade das videoaulas segue como preocupação dentro da unidade acadêmica, bem como o uso e desenvolvimento de games entre outros novas tecnologias de informação no processo pedagógico. “Temos de discutir com a comunidade acadêmica e planejar a superação das nossas dificuldades a partir destas inovações e de que os recursos do edital de inovação lançado recentemente e do qual a Geografia participa como possibilidade de avançar ainda mais neste processo de melhorias do EAD”.

Os problemas enfrentados vão além dos recursos didáticos, em alguns polos do interior do Brasil onde a UnB se encontra presente através do EAD existem problemas como a oscilação da capacidade do serviço de internet. O Prof. Fernando Sobrinho lembra que mesmo nos Polos de Apoio Presencial podem sofrer oscilações na internet. Uma solução proposta pela EaD da Geografia foi a elaboração de um livro digital por disciplina, dessa forma os alunos podem baixar todo o conteúdo no início do curso sem depender diariamente da internet.

Saindo da esfera tecnológica, outra solução encontrada na prática pelos professores ainda na coordenação anterior da Prof.a Marli Sales foi a ampliação da oferta das disciplinas que era bimestral para semestral. “Isso nos possibilitou um maior aproveitamento das disciplinas com o aumento dos indicadores de aproveitamento e diminuição da evasão e reprovação”, explica o Prof. Fernando Sobrinho.

O curso de Geografia possui um excelente relacionamento com as prefeituras onde o curso é oferecido como: Barretos e Itapetininga no estado de São Paulo, Cidade de Goiás e Posse em Goiás, Palmas no Tocantins, Buritis em Minas Gerais e com os novos polos que iniciaram o curso a partir de agosto próximo. Este excelente relacionamento também se dá com os alunos EaD.

Há ações importantes sendo desenvolvidas como o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid) da qual fazem parte alunos do EAD em Barretos, Itapetininga, Buritis e os alunos do curso presencial em Geografia do campus Darcy Ribeiro em Brasília. As ações do Pibid se encontram presentes em três polos EAD e no curso presencial aproximando os alunos de Geografia da comunidade escolar e da docência. “O grande diferencial é que nos cursos de licenciatura em Geografia os estágios em escolas públicas ocorriam somente no final do curso, mas pelo Pibid já no inicio do curso percebemos um encantamento dos nossos alunos com o ambiente escolar, participando atividade da realidade escolar, apoiando professores, alunos e diretores destas escolas. Percebe-se claramente o entusiasmo dos alunos do Pibid com as escolas onde desenvolvem atividades”, diz Fernando Sobrinho.

Sentimento de dever cumprido

Concluindo, Fernando Sobrinho diz que a UnB e o curso de Geografia segue cumprindo seu papel de levar o ensino público e gratuito a diferentes municípios e regiões do país. “Quando falamos do estado de São Paulo, que é a unidade da federação mais industrializada e desenvolvida do ponto de vista da economia, temos de compreender que mesmo lá temos desigualdades e dificuldades a serem superadas,  não são todos os alunos que tem condição financeira para estudar fora de sua cidade e condições de pagar por um curso de nível superior em uma instituição privada, além das dificuldades em se deslocar para outros municípios e se afastar do trabalho e família para cursar uma universidade e isso revela um déficit muito grande no número dos professores na educação básica”.

A coordenação do curso de Geografia EAD revela que está satisfeita com os resultados colhidos como a redução da evasão escolar e o aumento do número de alunos concluintes. O Prof. Fernando Sobrinho diz que a equipe percebeu que a partir da metade do curso do segundo edital, o número de evasão caiu, porém ainda hão de sanar os registros de evasões verificados nos primeiros semestres, período em que os alunos se deparam com dificuldades de organizar o tempo para o estudo, dominar as ferramentas tecnológicas e se inserir na vida acadêmica do polo. Neste semestre letivo teremos a formatura de cerca de 60 alunos em 5 polos. São alunos do edital da UAB 3 e a partir das ações de melhoria e reoferta possibilitou resgatar alunos de oferta anterior do edital da UAB 2, visto que diferente do presencial, onde todas as disciplinas são ofertadas em todos os semestres, no EaD apenas no semestre de oferta ou em reoferta a cada dois anos. No próximo mês de junho haverá formaturas de alunos do curso de Geografia EAD nos polos de Barretos, Itapetininga, Cidade de Goiás, Palmas e Posse.

Copyright © UnB|DEG|DEGD|Diretoria de Ensino de Graduação a Distância
Campus Universitário Darcy Ribeiro - Brasília - DF